top of page

Seminário sobre os personagens da guerra pela Independência do Brasil na Bahia será 12 e 13 de julho


Em mais uma agenda de comemorações do Bicentenário do 2 de Julho, o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia realizará nos dias 12 e 13 de julho/23, das 14h às 18h, o seminário sobre os “Personagens da Guerra pela Independência do Brasil na Bahia”. No encontro estarão professores, historiadores e pesquisadores que irão discorrer sobre os personagens atuantes nas tensões que culminaram no 2 de Julho de 1823. As apresentações do Coral da Polícia Militar da Bahia,da Banda Marcial da Escola Municipal da Palestina, além de exposições e vídeos sobre a maior festa cívica baiana integram a programação do evento.


Os caminhos do litoral, Recôncavo Baiano e sertão, com seus heróis e heroínas, espaços de conflitos e o desenrolar das ações no pós independência serão descortinados pelos pesquisadores convidados Clara Ferrão, Felipe Brito, Jair Cardoso, Jorge Ramos, José Dirson Argolo, Mariana Farias, Miguel Teles, Raimundo Marins e Rafael Dantas, que coordenará os trabalhos.


Entre os personagens que serão apresentados, juntamente com a problematização dos documentos existentes, destacam-se: Joana Angélica de Jesus (1761 – 1822), residente em Salvador Bahia, no Convento da Lapa, onde foi ferida por soldados portugueses em fevereiro de 1822, falecendo no dia seguinte. Maria Quitéria de Jesus (1792 -1853), combatente, no Batalhão dos Periquitos, durante os conflitos no processo de Independência da Bahia; Maria Felipa de Oliveira (- 1873) marisqueira, pescadora imortalizada pelas narrativas populares da Ilha de Itaparica e escritos de Ubaldo Osório e Xavier Marques; Encourados de Pedrão; João das Botas; Madeira de Melo, LordCochrane e outros tantos que compuseram o corpo de combatentes, comandantes e articuladores durante o processo. Os especialistas também irão abordar a participação dos africanos, afro-brasileiros e indígenas, refletindo sobre a colaboração destes segmentos na Guerra de Independência, bem como na construção de sua respectiva representação, especialmente nas manifestações presentes no Cortejo Festivo do Dois de Julho.


O público também poderá conferir três exposições no Instituto: uma com os acervos da Casa da Bahia, que apresentam alguns dos personagens da Guerra pela Independência, livros e documentos; Fotografias de Miguel Teles sobre os Encourados de Pedrão e a mostra “Dois de Julho: Bicentenário da Independência da Bahia”, com imagens da Coleção Flávia e Frank Abubakir, com detalhes da história do Bicentenário.

A inscrição é gratuita e pode ser feita diretamente no site do www.ighb.org.br ou pelo Sympla. Haverá transmissão ao vivo pelo canal youtube.com/ighbba. O seminário tem apoio financeiro da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e realização do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (uma das entidades apoiadas pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, através do Fundo de Cultura).



Saiba mais:

Em 2 de Julho de 1823 tropas e populares entraram pelos caminhos que direcionavam ao centro político e religioso da antiga Cidade do Salvador. Entre a terra batida e a poeira que se levantava, homens e mulheres davam mais um passo no desfecho de um dos eventos decisivos no processo de independência do Brasil.


Percorrendo a Lapinha, Soledade até chegar ao Terreiro de Jesus, o povo deu a tônica do que mais tarde se tornou uma das festas mais importantes da Bahia: o Dois de Julho, com o Caboclo e a Cabocla. Passado e presente unem-se no ano de 2023, quando dos duzentos anos da data magna do Estado e uma das datas mais importantes da configuração política e geográfica do Brasil ao longo do século XIX.


Para além da suntuosidade festiva, refletida no frenesi das comemorações, das ânsias e ensejos do pós-guerra, da morte presente nas águas e em terra, o processo de independência da Bahia revela todo um panorama do século XIX, em diálogo com o Atlântico, América, Portugal e Europa; seus conflitos, rupturas e permanências. Faces de um povo e seus projetos de conquista de liberdade, consagrados ou vilipendiados, peça insigne no que se tornou a Bahia e o Brasil.


Com o intuito de lembrar o Processo de Independência da Bahia e o 2 de Julho de 1823, em seus 200 anos em 2023, o IGHB – desde abril deste ano, apresenta diversas ações que se somam as comemorações dos 100 anos de sua sede, inaugurada em 1923 para celebrar o centenário da Independência.


CONFIRA A PROGRAMAÇÃO

12 de julho, das 14h às 18h

Abertura pelo coordenador Rafael Dantas

Apresentação do Coral da Polícia Militar

General Labatut x Brigadeiro Madeira de Mello – os comandantes militares da guerra (Jornalista Jorge Ramos)

A participação singular de Maria Felipa na luta pela independência do Brasil em Itaparica (Profa. Clara Ferrão)

Joana Angélica, Maria Quitéria e o protagonismo das mulheres baianas na Independência do Brasil. (Profa. Mariana Farias)

Antônio de Souza Lima, e a Ilha de Itaparica na Guerra da Independência da Brasil na Bahia (Pesquisador Felipe Brito)


13 de julho, das 14h às 18h

Apresentação da Banda Marcial da Escola Municipal da Palestina

O turbulento pós 2 de julho na Bahia em 1823: registros antecedentes ao surgimento do Corpo de Polícia (Major Raimundo Marins)

Os personagens anônimos: Quem seriam eles? (Prof. Jair Cardoso dos Santos)

Restauração dos Caboclos e dos Monumentos ao 2 de Julho (Prof. José Dirson Argolo)


SERVIÇO

Seminário “Personagens da Guerra pela Independência do Brasil na Bahia”

12 e 13 de julho, das 14h às 18h

Instituto Geográfico e Histórico da Bahia

Inscrição gratuita: www.ighb.org.br







Commenti


Pesquisa online[.png
Youtube.png
Facebook.png
instagram ighb.png
bottom of page