top of page

Museu I importante esquecido no Sul da Bahia

Museu I importante esquecido no Sul da Bahia

Artigo de Cyro de Mattos




A Fundação Henrique Alves dos Reis foi forçada a ficar desativada em 1990, em razão da falta de recursos e, com isso, o município de Itabuna sofreu uma grande perda dentro do contexto cultural de seus espaços mais importantes. A Fundação era mantida com os rendimentos de 2500 arrobas de cacau que a fazenda Sempre Viva produzia anualmente. O baixo preço do produto àquela época e a carestia imposta por uma inflação galopante fizeram com que se tornasse inviável a sua manutenção. Em época mais recente, ainda como fator negativo para reativar a fundação Henrique Alves dos Reis, interferiu o advento da praga da vassoura-de-bruxa, contribuindo para a quase devastação da lavoura cacaueira.


Idealizada por dona Elvira dos Reis Moreira para perpetuar a memória do pai, coronel Henrique Alves dos Reis, desbravador e chefe político de grande influência no município, a Fundação foi instalada em 11 de setembro de 1978, mas em 10 de maio de 1974 já existia o Museu Casa Verde, que passou depois a integrar o patrimônio da instituição. Funcionava no local onde, no princípio do século XX, existia um armazém para a comercialização e depósito do cacau. Com a destruição do armazém, foi erguida em seu lugar a Casa Verde, datada de 1887, onde moraram o coronel Henrique Alves dos Reis e sua mulher, dona Cordolina Loup dos Reis, a filha Elvira e o genro, Miguel Moreira, que foi prefeito de Itabuna.


O Museu Casa Verde preserva o passado da conquista e do domínio dos coronéis do cacau, um tempo áureo da civilização grapiúna visível nas peças e indumentárias dos séculos XIX e XX, pertencentes à família do Coronel Henrique Alves dos Reis. O mobiliário ali exposto é em madeira trabalhada na Áustria e em Portugal, conservando o museu um acervo constituído de mais de 2500 peças de cristais de Baracat, prata, coleções belíssimas de biscuits franceses, aparelhos de café e jantar de Limoges e da Inglaterra, conjunto de talheres de Cristophe, móveis em estilo Luís XV, bandejas, jarros, e bacias em louça chinesa, floreiras em electroprata, além de objetos pessoais; fardamentos, espadas, moedas em prata dos primeiros anos do século XX, vestidos, chapéus e leques.


Documentos valiosos sobre a memória política da cidade estão ali guardados, assim como vários números do jornal O Intransigente, um dos primeiros veículos da imprensa local, cuja primeira página do primeiro número foi impressa em seda pura.


A Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC – e o seu Centro de Documentação e Memória Regional – CEDOC – assumiram no final do século XX a administração do Museu Casa Verde, da Fundação Henrique Alves dos Reis, em Itabuna, contribuindo assim para formar, por extensão, o diálogo entre a memória, que é o lugar de onde emerge a história, e as pessoas que forem visitar um espaço formador do desenvolvimento sociocultural da comunidade baiana e, em particular, da grapiúna.


Reativar, manter e disponibilizar ao público o Museu Casa Verde, criado em 1974, significou não só preservar a memória da civilização cacaueira com o seu modo singular de vida, mas também possibilitou a construção de novos conceitos de manutenção histórico-patrimonial, em sintonia valiosa com o conhecimento autêntico do passado regional. No Museu Casa Verde percebe-se e compreende-se que ali está manifesta uma linguagem que vem do começo da civilização do cacau, formada pelos falares e fazeres no dia-a-dia, doméstico, urbano e religioso, dentro e fora da residência dos pioneiros que conquistaram a terra coberta de mata virgem.


Naquela oportunidade, a reativação do Museu Casa Verde foi, ainda, um modo eficaz de desconstituir a postura ilimitada de que modernidade e progresso, nos tempos velozes da internet, andam de mãos dadas como meios incontornáveis para a exclusão do que seja antigo. Deu-se oportunidade através de uma universidade criativa, e que se tornou uma sólida instituição cultural do Sul da Bahia, para conhecer e apreciar, pesquisar e estudar, duas mil peças de aspectos com os seus significados, significantes e elementos da natureza histórico-social, os quais servem sobretudo para a compreensão mais abrangente da Região Cacaueira Baiana e da História do Brasil.


No entanto, depois de alguns anos de proveitosa atuação, a parceria foi dissolvida. E, passados tantos anos, o Museu Casa Verde continua desativado, causando prejuízos de natureza histórico-cultural à comunidade e ao Sul da Bahia, o que é lastimável.



コメント


Pesquisa online[.png
Youtube.png
Facebook.png
instagram ighb.png
bottom of page