top of page

Inscrições abertas para mais uma edição do Curso História da Bahia



Estão abertas no site www.ighb.org.br as inscrições para mais uma edição do curso sobre a História da Bahia, promovido pelo Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. As aulas serão ministradas pelo mestre em História e Patrimônio Manoel Passos Pereira, de 18 de setembro a 18 de outubro (sempre as segundas e quartas, das 17h às 19h), através da plataforma zoom.

Durante o curso os participantes irão conhecer mais sobre a temporalidade da história do Brasil, que começa justamente na Bahia, com o descobrimento do Brasil em Porto Seguro, como a fundação da cidade do Salvador, que emerge como núcleo administrativo da coroa portuguesa, como a primeira capital do país. Também serão abordados a formação da sociedade escravista, as revoltas emancipacionistas, os dois reinados e uma análise das fontes bibliográficas.

No conteúdo programático estão: Colonização do Brasil, Fundação da cidade do Salvador, Sociedade Colonial Escravista, Mão-de-obra escrava, Etnias dos escravizados, Povos originários, Fim do escravismo, Conjuração Baiana, Holandeses na Bahia, Descolonização, Século XIX, preâmbulo da independência, Independência do Brasil na Bahia, 1º Império, Período Regencial, II Reinado, Declínio do império, Formação do Estado Brasileiro, Análise das fontes históricas, Irmandade de Nosso Senhora da Boa Morte (Apêndice), Bibliografia.

Manoel Passos Pereira é bacharel em História pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia (FFCH-UFBA); Especialista em Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade de Educação da Bahia; e Mestre em História e Patrimônio pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), em Portugal. Lecionou na Faculdade de Turismo da Bahia (Factur), de 1989 a 1995, e na Universidade Federal da Bahia (UFBA), no curso de História, durante os anos de 1995, 1998 e 1999. Publicou o ebook Recôncavo Negro: história, personagens e cultura, em 2021. Ainda em 2021, publicou O processo da Independência do Brasil no Recôncavo Baiano: política, guerra e cultura – 1820 a 1823, Salvador: Edufba.

O IGHB é uma das instituições apoiadas pelo programa Ações Continuadas a Instituições Culturais, iniciativa da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) através do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA). Funciona de segunda a sexta, das 13h às 18h.




BIBLIOGRAFIA HISTÓRIA DA BAHIA


ALBUQUERQUE, Wlamyra. Algazarras nas ruas: Comemorações da Independência na Bahia. São Paulo: Unicamp;

ANDRADE, Ma. José de Souza. / TEIXEIRA, Marli Geralda. / CAVALCANTE, Eneida de Almeida. / PARAISO, Valdice de C. Prisco. Bahia, onde começou o Brasil; SSA.: Irdeb; 1988.

ARNIZÁU, José Joaquim de Almeida e. Memória Topográfica, Histórica, Comercial e Política da Vila da Cachoeira da Província da Bahia; SA: Fundação Maria América da Cruz / Instituto Histórico e Geográfico da Bahia / Fundação Cultural do Estado da Bahia; 1998.

AZEVEDO, Paulo Ormindo David de. Inventário de Proteção do Acervo Cultural da Bahia. Volume II e III. Monumentos e Sítios do Recôncavo; Salvador: Secretaria da Indústria e Comércio da Bahia.

BAPTISTA, Fernando Oliveira. A transição rural e o Património. In: Museus e Património Imaterial: agentes, fronteiras, identidades. Portugal: Instituto dos Museus e da Conservação.

BRANDÃO, Maria de Azevedo. Cidade e Recôncavo da Bahia; in: BRANDÃO, Ma. De A.; Recôncavo da Bahia: Sociedade e economia em transição; Salvador: Fundação Casa Jorge Amado; Academia de Letras da Bahia;

CABRAL, Clara Bertrand. A Convenção da Unesco: inventários e salvaguadas.

ENCICLOPÉDIA dos Municípios Brasileiros; Rio de Janeiro: IBGE, 1980.

FREITAS, Antônio Fernando Guerreiro de. A Bahia em pedaços; Ilhéus-Ba: Editus, 2023.

GANDON, Tania Risério d’Almeida. Portugueses na Bahia na Segunda Metade do Séc. XIX: Emigração e Comércio. Salvador: EDUNEB. 2010.

JORNAL DO PARAGUAÇU. Cachoeira: Fundação Maria América da Cruz / RECONCENTO -Centro de Estudos e Memória do Recôncavo: Ano I; Números 1,2,3; 1997;Ano II; números 4 e 5; 1998.

MARTINEZ, Socorro Targino. 2 de Julho: a festa é História; Salvador: Fundação Gregório de Matos;

MATTOSO, Kátia de Queirós. A cidade do Salvador e seu mercado no Século XIX; S.P.: Hucitec; SSA.: Secretaria Municipal de Educação e Cultura; 1978.

MATTOSO, Kátia de Queirós. Três imagens do Recôncavo da década de Cinqüenta; in: BRANDÃO, Maria de Azevedo; Recôncavo da Bahia: Sociedade e economia em transição; Salvador: Fundação Casa Jorge Amado; Academia de Letras da Bahia; Universidade Federal da Bahia; 1998.

MILTON, Aristides. Epemerides Cachoeiranas; Salvador: Centro Editorial da UFBa; 1979.

PEDRÃO, Fernando Cardoso. Novos rumos, novos personagens; in: BRANDÃO, Ma. de A.; Recôncavo da Bahia: Sociedade e economia em transição; Ssa.: Fundação Casa Jorge Amado; Academia de Letras da Bahia; UFBa.; 1998.

PEDREIRA, Pedro Thomás. Pequeno Dicionário dos Municípios Baianos.

_________, A Cachoeira e seu município Escorço: Físico, político, econômico e administrativo; Salvador: Intituto Histórico e Geográfico da Bahia,1932.

PEREIRA, Manoel Passos (org.). Memória Histórica da Cachoeira; Fund. Maria América da Cruz / Reconcentro /Fundação Cultural do Estado da Bahia; 1998.

________, O processo da independência do Brasil no Recôncavo Baiano; Salvador: Edufba, 2021.

________, Recôncavo Negro [livro eletrônico]: história, personagens e cultura, Salvador: Ed. do autor, 2021.

PINTO, Luiz de Aguiar Costa. Recôncavo: Laboratório de uma experiência humana; in: BRANDÃO, Maria de Azevedo; Recôncavo da Bahia: sociedade e economia em transição; SSA.: Fundação Casa Jorge Amado; Academia de Letras da Bahia; UFBa.; 1998.

PLANO Diretor de Limpeza Urbana Cachoeira, São Felix, Muritiba (Delimitação dos Municípios); Salvador: UFC Engenharia Ltda; 1993.

SANTOS, Milton. A rede urbana do Recôncavo; in: BRANDÃO, Maria de Azevedo; Recôncavo da Bahia: Sociedade e economia em transição; sa.: Fundação Casa Jorge Amado; Academia de Letras da Bahia; UFBa. 1998

SOUZA, Willian Eduardo Righini e CRIPPA, Giulia. O Património como processo: uma ideia que supera a oposição material-imaterial. Porto Alegre; 2011.

SOUZA FILHO, Argemiro Ribeiro de. Projetos Políticos na Revolução Constitucionalista na Bahia (1821-1822). Almanack Brasiliense nº 7;São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo; 2008.

TAVARES, Luís Henrique Dias. História da Bahia; SSA.: UFBa.; 1974.

__________________________. A Independência do Brasil na Bahia; Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL; 1977.

UFBA. FACULDADE DE ARQUITETURA. CENTRO DE ESTUDOS DE ARQUITETURA DA BAHIA. FUNDAÇÃO GREGÓRIO DE MATTOS. Evolução Física de Salvador: 1549 a 1800; 1998. UFBa.; 1998.

ZANIRATO, Silvia Helena. Património para Todos: Promoção e Difusão do Uso Público do Património Cultural na Cidade Histórica; SP: Unesp – edap, v. 2; 2006.






Pesquisa online[.png
Youtube.png
Facebook.png
instagram ighb.png
bottom of page