top of page

Inscrições abertas para módulo 2 do curso 'História de Salvador e Recôncavo: 1851-1900'

CURSO

História de Salvador e Recôncavo: 1851-1900

Módulo II - 01 a 17 de março/23



Professor – Jair Cardoso Santos

Mestre em Crítica Cultural (UNEB), Pós Graduação em Educação (PUC-RJ), Bacharel em Direito e Licenciado em História (Ufba) e associado do IGHB

Carga horária – 40 horas

Público alvo – Livre

Data – 01 a 17 de março de 2023, das 18 às 20 horas (plataforma zoom)

11 e 18 de março (aulas de campo)

Resumo:

O curso aborda as transformações ocorridas em Salvador e cidades, vilas e freguesias do Recôncavo da Bahia na segunda metade do século XIX, quando inovações técnicas surgidas com a Revolução Industrial propiciaram um processo de urbanização e modernização; aborda, também, as tensões e conflitos de uma sociedade rigidamente estratificada, bem como o processo conservador da abolição da escravização, que criou novas hierarquias sociorraciais, perpetuando desigualdades.

Metodologia de ensino:

Aulas expositivas e dialogadas, com projeção de slides, interpretação e análise de documentos, textos, imagens e mapas históricos, contanto, inclusive, com a participação de pesquisadores de Salvador e de cidades históricas do Recôncavo da Bahia.

Recursos:

Zoom, com aulas na modalidade remota (e, para os alunos que puderem, também algumas aulas presenciais de campo em Salvador e Recôncavo);

Audiovisuais, slides, documentos históricos, mapas, textos, gravuras.

Conteúdo programático:

  1. A Baía de Todos-os-Santos unindo Salvador e Recôncavo, com seus saveiros, canoas e vapores de Cachoeira, Santo Amaro, Nazaré e Maragogipe

  2. Uma baía, um engenho, um museu: história do Engenho Freguesia, transformado no Museu do Recôncavo Wanderley Pinho, às margens da Baía de Todos-os-Santos

  3. No bicentenário da independência, memória e identidade formatadas nos feitos da guerra de 1822/1823: ascensão e frustração dos veteranos, seu “desaparecimento do número dos vivos” e as diversas formas de celebração do 2 de Julho em Salvador e Recôncavo

  4. Devoção do Bonfim e diversidade religiosa: nas águas de católicos e candomblecistas chegam protestantes e espíritas

  5. Saúde pública e vida curta: uma faculdade de medicina, várias casas de misericórdia e muitas epidemias

  6. Cidades, vilas, freguesias e distritos criados com o crescimento de Salvador e Recôncavo na segunda metade do século XIX

  7. Personalidades da vida intelectual, artística e laboral da “Atenas brasileira” e seu Recôncavo: poetas, artistas, abolicionistas, doutores, professores, ganhadeiras, ganhadores, industriais e comerciantes

  8. Invisibilizados do teatro social recôncavo e soteropolitano: mulheres, crianças, libertos, escravizados e indígenas

  9. Hierarquias e resistências negras: fugas individuais e coletivas, estratégias de sobrevivência, crimes de pessoas escravizadas, busca por liberdade e alforrias

  10. Vida rural e processo de urbanização: das fontes e carros de bois aos bondes, chafarizes, iluminação a gás, estradas de ferro, elevador urbano e planos inclinados

  11. “A Bahia! Sempre a Bahia!” – Os voluntários e involuntários de Salvador e Recôncavo na guerra do Paraguai (1865-1870)

  12. O fim do tráfico transatlântico de corpos negros, a abolição incompleta da escravização e o pós-abolição: racismo científico e exclusão socioeconômica

  13. Salvador e seu Recôncavo no testemunho de viajantes estrangeiros e de D. Pedro II.

  14. Notícias, anúncios e contendas na imprensa de Salvador, cidades e vilas do Recôncavo

  15. Decadência econômica e perda do prestígio político de Salvador e seu Recôncavo.

REFERÊNCIAS

ALBA. Bahia de todos os fatos: cenas da vida republicana (1889-1991). Salvador: 2019.

ADICHIE, Chimamandia. O perigo de uma história única. Disponível em www.ted.com/talks.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2015.

ALBUQUERQUE, Wlamyra; Castillo. Lisa Earl; Sampaio, Gabriela dos Reis (org.). Barganhas e querelas da escravidão: tráfico, alforria e liberdade (séc. XVIII e XIX). Salvador: EDUFBA, 2014.

ALCÂNTARA, Pedro. Diário da viagem ao Norte do Brasil. Salvador: Livraria Progresso Editora, 1959.

ALMEIDA, Miguel Calmon. Ensaio sobre o fabrico do açúcar. Salvador: FIEB, 2002.

ALVES, Isaías. Matas do Sertão de Baixo. Rio de Janeiro: 1967.

ALVES, Kleberson da Silva. Escravistas versus emancipacionistas na prosa romântica: as representações senhoriais no romance A escrava Isaura. Salvador: UNEB, 2010.

AMARAL, Braz. A ação da Bahia na obra da independência nacional. Salvador: Edufba, 2005.

AMORIM, Clovis. Santo Amaro nação da cana. Santo Amaro: Prefeitura Municipal, 1971.

ANDRADE, Adriano Bittencourt. O outro lado da baía: a gênese de uma rede urbana colonial. Salvador: EDUFBA, 2013.

ANDRADE, Maria José de Souza. A mãos de obra escrava em Salvador, 1811-1860. São Paulo: Corrupio, 1988.

ANTONIL, André João. Cultura e Opulência do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1982.

AUGEL, Moema Parente. Visitantes estrangeiros na Bahia oitocentista. São Paulo: Cultriz, 1980.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho. Onda negra, medo branco; o negro no imaginário das elites – século XIX. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1987.

AZEVEDO, Esterzilda. Salvador: EDUFBA, 2021.

AZEVEDO, Esterzilda. Engenhos do Recôncavo Baiano. Brasília: IPHAN, 2019

BANDEIRA, Júlio e outros. Debret e o Brasil: obra completa, 1816-1831. Rio de Janeiro: Capivara, 2013.

BARRICKMAN, B. J. Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão no Recôncavo, 1780-1860. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BARROS, Francisco Borges. Organizações communaes, freguezias, leis reguladoras de limites municipais – volume II. 1929.

BARROS, Judite Santana. Saubara dos cantos, contos e encantos. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo, 2006.

BOMFIM, Juarez Duarte. O Centro Histórico da Cidade do Salvador: sua introdução sociourbana. Feira de Santana: UEFS Editora, 2010.

BRITO, Jailton Lima. A abolição na Bahia: 1870-1888. Salvador: CEB, 2003.

BRITO, Luciana da Cruz. Temores da África: segurança, legislação e população africana na Bahia oitocentista. Salvador: EDUFBA, 2016.

BRITO, Nelson. Muritiba – resgatando sua história. Muritiba: JM Gráfica & Editora Ltda, 2012.

BROOKSHAW, David. Raça & cor na literatura brasileira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

CADENA, Nelson Varón. Festas populares da Bahia: Fé e Folia. Salvador, 2015

CALDAS, Geraldo Coni. Conceição do Almeida: minha terra, minha gente. Salvador: Cingrafi, 1970.

CALDAS, Jozé Antonio. Notícia geral desta Capitania da Bahia. Salvador: EDUFBA, 2017.

CALMON, Jorge. Santo Amaro, devoção de José Silveira. Salvador: Academia de Letras da Bahia: 2004.

CAMPANHOLE, Adriano e outro. Constituições do Brasil. São Paulo: Atlas, 1989.

CAROSO, Carlos e outros. Baía de Todos os Santos: aspectos humanos. Salvador: Edufba, 2011.

CARVALHO, Alfredo; TORRES, João Nepomuceno. Anais da imprensa da Bahia. Salvador: IGHB, 2007.

CARVALHO, Maria Rosário. Trajetórias e histórias insurgentes: os Kariri-Sapuyá da Pedra Branca, Recôncavo Sul Baiano. Salvador: EDUFBA, 2022.

CASTRO, Yeda Pessoa. Falares africanos na Bahia: um vocabulário Afro-Brasileiro. São Paulo: Topbooks, 2005.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

COPQUE, Diego. Do Joanes ao Jacuipe: uma história de muitas querelas, tensões e disputas locais. Salvador: Cogito, 2021.

CORDEIRO, Tiago. Revista Aventuras na História: Allan Kardec e o espiritismo. São Paulo: Editora Abril, 2014.

COSTA, Edil Silva; Lopes, Norma da Silva; Castro, Yêda Pessoa. Acolhendo as línguas africanas: segundo momento. Salvador: Eduneb, 2010.

COSTA, Emília Viotti, A abolição. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

COSTA, Paulo Segundo. Campo Santo: resumo histórico. Salvador: Contexto e Arte, 2007.

CUNHA, Manuela Carneiro. Negros, estrangeiros: os escravos libertos e sua volta à África. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

CUNHA, Mário Pinto. São Francisco do Conde: “a valorosa”. Salvador: Gráfica Central, 1976.

BAHIA, J. Péricles Diniz. Ser baiano na medida do Recôncavo. Cruz das Almas: UFRB, 2019.

DÓREA, Luiz Eduardo. História de Salvador nos nomes das suas ruas. Salvador: Edufba, 2006.

ESTEVAM, André. Direito Penal volume 1. São Paulo: Editora Saraiva, 2016.

ESTRADA, Osório Duque. A abolição. Brasília: Senado Federal: 2005.

FANON, Franz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FARIAS, Eny Kleyde. Maria Felipa de Oliveira: Heroína da independência da Bahia. Salvador: Editora quarteto, 2013.

FIAZ, Domingos. Acupe minha terra. Feira de Santana: universidade Estadual de Feira de Santana, 2004.

FILHO, Luiz Vianna. O negro na Bahia. Salvador: EDUFBA, 2008.

FLEXOR, Maria Helena. Igrejas e Conventos da Bahia. Brasília: IPHAN, 2010.

FLEXOR, Maria Helena; SCHWEIZER, José. Península de Itapagipe: patrimônio industrial e natural. Salvador: EDUFBA, 2011.

FRAGA, Walter. Encruzilhadas da liberdade: histórias de escravos e libertos na Bahia (1870-1910).

FREITAS, Gildásio; PARANHOS, Emanuel. Livro da história de Lauro de Freitas: antiga Freguesia de Santo Amaro do Ipitanga. Lauro de Freitas: Jornal e Gráfica, 2008.

FUNDAÇÃO Cultural do Estado da Bahia. Legislação da Província da Bahia sobre o negro: 1835-1888, Salvador, 1996.

FUNDAÇÃO Gregório de Matos. Repertório de fontes sobre a escravidão existentes no Arquivo Municipal de Salvador: As Posturas (1631-1889). Salvador: 1988.

GALVES, Cralotte; LOBO, Tânia. O português escrito por afro-brasileiros no século XIX: as atas da Sociedade Protetora dos Desvalidos. Salvador: EDUFBA, 2019.

GAMA, Hugo; NASCIMENTO, Jaime (Org.). A urbanização de Salvador em três tempos: colônia, império e república. Salvador: IGHB, 2011.

GARCEZ, Angelina Nobre Rolim. Associação Comercial da Bahia – 175 anos – Trajetórias e perspectivas. Salvador: ALBA, 2011.

GLEDHILL, Sabrina. (Re)apresentando Manuel Querino 1851/1923: um pioneiro afro-brasileiro nos tempos do racismo científico. Salvador: Saga, 2021.

GENNARI, Emílio. Em busca da liberdade: traços das lutas escravas no Brasil. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2011.

GILROY, Paul. Uma história para não se levar adiante: a memória viva e o sublime escravo. In: Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34, 2001.

GRIMBERG, Keila. O fiador dos brasileiros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções: Europa 1789-1848.

HORA, Antonio Apolinário. História Comprida. Simões Filho: Secretaria de Cultura e Desportos, 2005.

IBGE. Enciclopédia Brasileira dos Municípios: Volume XXI. Rio de Janeiro: 1958.

IGHB, Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 59. Salvador: 1933.

IGHB. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 64. Salvador: 1938.

IGHB. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 65. Salvador: 1939.

IGHB. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 67. Salvador: 1941.

IGHB, Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 68. Salvador: 1942.

IGHB. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 69. Salvador: 1943.

IGHB. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 72. Salvador: 1945.

IGHB, Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 74. Salvador: 1947.

IGHB, Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 82. Salvador: 1958-60.

IGHB, Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. Regimento de 17 de dezembro de 1548. Salvador: 1998.

IGHB, Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 109. Salvador: 2014.

IGHB, Revista do Instituto Geográfico da Bahia nº 116. Salvador: 2021.

INSTITUTO GENEALÓGICO DA BAHIA. Revista n 23. Salvador: 2008.

IPAC – BA – Inventário de proteção do acervo cultural, monumentos e sítios do Recôncavo. Volume III, II parte. Salvador: 1982.</

Commentaires


Pesquisa online[.png
Youtube.png
Facebook.png
instagram ighb.png
bottom of page