Avenida Joana Angélica, 43 - Piedade - Salvador - BA - CEP 40.050-001 Fones: (71) 3329-4463 / 3329-6336  - Email: ighbahia@gmail.com

IGHB - Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.

Professores inesquecíveis

01/04/2015

Há poucos dias, neste mesmo local, escrevi sobre meus primeiros professores. Texto despretensioso e simples para fixar nomes de pessoas importantes na minha vida.

 

Muita gente se “tocou” com a lembrança, passando a reviver seus mestres do passado.

Não sei nomeá-los na ordem de precedência. Acho que não teria condições de ordená-los corretamente. Fazendo um esforço de memória, meio bagunçado, recordo-me, de imediatamente, de Álvaro Rocha, durão e rigoroso, que todos temiam, e era apelidado de “Pombo Roxo”.

 

D. Anfrísia era uma mulher marcante, de personalidade forte e espírito combativo. Até hoje é comentada, quando se faz qualquer referência à mulher na Bahia. De origem humilde, não se intimidou diante das dificuldades. Diplomou-se em professora e estabeleceu um colégio que, cedo, ganhou notoriedade. Mulher muito inteligente e sagaz, adquiriu pronta respeitabilidade em nosso meio.

 

Que me perdoe Concinha, querida colega e amiga, mas essa afirmativa é verdadeira. Recordo-me de Álvaro Zózimo, boa gente, mas ensinava o que eu mais detestava: as matemáticas. Vivia em apuros, porque me considerava a mais rude entre as rudes a que ele dava aulas.

 

Curioso, apesar de muito seca e dura, D. Aline Pinho Lins era do meu agrado. Simpática, magrinha, sempre muito elegante, agradava até pela aparência. Ensinou-me francês e ajudou-me a amar a “mais bela língua do mundo”. Quando não ia com a cara da discípula, essa aluna, coitada, tinha que sofrer das suas perseguições. Alda e Norma Ramos de Freitas sofreram o pão que o diabo amassou.

 

De Geografia era D. Maria Soledade, razoável, mas muito grossa e insolente. Todos os discípulos temiam de medo daquela mulher enérgica e respeitável. Falava quase aos berros e dava umas boas “cusparadas” nas alunas, quando das suas barulhentas intervenções. Que dizer do manso, silencioso, competente mestre Luís de Moura Bastos? Reconhecido como o mais didata dentre todos que ensinam matemática nas escolas daquele tempo e também na recém fundada Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, por Isaías Alves de Almeida, atual FFCH da Ufba.

 

Uma lembrança inesquecível é o professor Manuel Peixoto. Uma figura! Muito parecido com Abraham Lincoln, falava fanhoso e estudara nos Estados Unidos. Fora, em jovem, levado para os States com os missionários protestantes, que andaram convertendo os católicos para a Igreja Batista.

 

Era primo irmão de minha avó materna Climéria Peixoto Montanha da Silva, de quem também era “primo carnal” e se casou com Maria Dolores Mendes Pondé, irmã de meu pai.

 

Raul da Costa e Sá era um professor de português admirável! Além de ter sido sua aluna na escola, o fui também na Associação Bahiana de imprensa, onde lecionava: “Redação do Jornalista”, ou coisa que o valha. Recordo-me de José Maria da Costa Vargens, José Ramos de Queirós, das aulas magistrais de Anfrísia Santiago. Delson Calheiros, Carlos Meirelles (Geografia), para ficar apenas em alguns nomes. Ensinavam Educação Física Zhaury Saback e Lígia Costa. Perdi a conta das “formiguinhas” que labutavam o dia inteiro, D. Arlinda, D. Lili, D. Rita, irmãs da diretora, a quem chamavam Zizinha.

 

Tudo isso se desenrola no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde conheci bons professores, privei do convívio erudito e competente de D. Anfrísia e, posso dizer, fiz a minha formação moral. Lá se ensinava noções de moral e cívica que, hoje, não se sabe o que vem a ser.

 

Até hoje “as anfrizetes” costumam reunir-se para se recordarem do passado. Muitas não apreciavam a diretora mas, mesmo assim, gostam de estar juntas para recordar o passado e as “lições” ministradas por aquela educadora.

 

Certo é que o Colégio marcou um tempo e foi reconhecido como um dos melhores estabelecimentos de ensino da Bahia. Fui aluna de lá no curso primário e secundário, deixando-o para fazer o Curso Clássico, no Colégio Nossa Senhora das Mercês, das Madres Ursulinas.  Foi um novo tempo que se abriu para mim. Aprendi novas coisas e passei a prestar mais atenção nas lições ensinadas pela Igreja Católica.

 

Mas, aí é outra história, que ainda será contada.

 

 

Tribuna da Bahia

Please reload

Horário de funcionamento do IGHB

 

Visitação: de segunda a sexta, das 13h às 18h

 

Biblioteca: de segunda a sexta, das 13h às 18h

 

Arquivo: de segunda a sexta, das 13h às 17h

 

Administrativo: de segunda a sexta, das 13h às 18h