Avenida Joana Angélica, 43 - Piedade - Salvador - BA - CEP 40.050-001 Fones: (71) 3329-4463 / 3329-6336  - Email: ighbahia@gmail.com

IGHB - Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.

Euclides da Cunha ? primeiros duros anos

18/06/2014

Viveu apenas quarenta e três anos, mas viveu intensamente. Uma existência marcada pela tristeza que acompanhou desde a infância o menino órfão, o adolescente arredio, o homem adulto esquivo. 

Um temperamento complicado que, apesar disso, conseguiureunir um apreciável número de amigos: Coelho Neto, Vicente de Carvalho, Teodoro Sampaio, Afrânio Peixoto, Francisco Venâncio Filho, dentre outros.

 

Pelo lado paterno tinha antecedentes baianos, sendo seu pai, Manuel Rodrigues Pimenta da Cunha e sua avó a sertaneja Teresa Maria de Jesus. O avô traficante de escravos, proprietário do navio Pestana, casou-se com Teresa, gente da terra interiorana.

 

Juntos, viajaram incontáveis vezes para Portugal. Lembrar que o comércio de escravos, antes da lei de 7 de novembro de 1831, e mais ainda, antes do Bill Aberdeen, era uma atividade regular no Brasil, não era vista com maus olhos, mas entendida como uma prática comercial corriqueira. Numa dessas viagens do casal a Lisboa, faleceu o comerciante, deixando a mulher e filhos. 

 

A viúva não esquentou o colchão, casou-se, logo depois, com Joaquim Pereira Barreto, com quem não se harmonizaram os enteados. Por conta dessa situação, cedo, os filhos mais velhos Antônio e Manuel deixaram a casamaterna e a Bahia. 

 

O segundo deles, Manuel, estabeleceu-se no vale do Paraíba do Sul, das grandes e rendosas plantações de café. Ali se enamorou da jovem Eudóxia Moreira, a caçula das filhas de Joaquim Alves Moreira, pequeno proprietário rural, fixando-se na região. 

 

É que, pelo casamento, tornou-se dono de uma fazendinha em Santa Rita do Rio Negro, distrito de Cantagalo. Naquele local, nasceu Euclides da Cunha, batizado no dia 24 de novembro de 1866, pelos padrinhos José e Emerenciana Teixeira de Carvalho, proprietários da fazenda Saudade, onde nascera o futuro escritor.

 

Para não escapar à marca de sua trajetória, foi 1866 um ano muito atribulado na vida do Brasil. É que acontecia a grande mobilização para a guerra da Tríplice Aliança, mais conhecida como Guerra do Paraguay, que se refletia na vida de todos. 

 

Como consequência, foi um período crítico, de escassez da produção, elevação dos preços dos gêneros alimentícios, deficiência de transportes e outros problemas gerados pelo conturbado instante. Todas essas dificuldades se abateram sobre os Cunha às voltas com a débil saúde da mãe de família e do recém-nascido.

 

Daí, as frequentes idas de Eudóxia para Teresópolis, com quem se harmonizava e de quem recebia apoio, onde se hospedava com a irmã Rosinda Gouveia. Em certo momento, particularmente grave, Manuel teve que liquidar seus negócios e acompanhar a família para a fazenda São Joaquim, onde residia Laura Garcez, também sua cunhada. É que Eudóxia fora atingida pela tuberculose, não podendo mais cuidar da família. 

 

Não se detiveram nesse local, transferindo-se, em seguida, para Conceição-da-Ponte-Nova, onde existiam melhores recursos médicos. Entretanto, poucos meses depois morria Eudóxia, deixando dois filhos pequeninos: Euclides e Adélia, com apenas três e um ano de idade. A solução foi a volta para a casa da tia Rosinda, em Teresópolis, onde Euclides permaneceria  até 1871, porquanto a tia pouco tempo depois faleceria. 

 

A peregrinação continuaria com a morada na casa da tia Laura Garcez, onde o menino feioso e triste viveria mais sete anos, sob os cuidados daquela que foi sua terceira mãe.  Segundo seus biógrafos, ali não se sentia acolhido, mas apenas um agregado, não tendo Euclydes reservado qualquer comentário sobre essa passagem de sua vida, o que aconteceu, contudo, em relação à casa de tia Rosinda.

 

Era o ano de 1874 e Euclides, como os meninos da Fazenda São Joaquim, necessitava de escola, razão pela qual ingressou no colégio Francisco José Caldeira da Silva – homem de ideias republicanas, que na casa da Gamboa instalara um internato, que acolhia os filhos dos fazendeiros da região. Naquele estabelecimento militava o mestre Caldeira, excelente professor de gramática, retórica e francês, de cujos ensinamentos muito se beneficiou Euclides. Tanto assim que, em três anos de estudo habilitou-se a estudar na Corte sendo conduzido, em 1877, para a Corte, a fim de preparar-se para o futuro. 

 

Enquanto seu pai se estabelecia no comércio do Rio de Janeiro, seguiu Euclides para a Bahia, onde durante um ano cursou o Colégio Carneiro Ribeiro. Mas, não parou por aí sua vida itinerante. Volta ao Rio, em 1879, passando a morar na casa do tio Antônio, no Largo da Carioca, e cursado o Colégio Anglo –Americano. 

 

Em 1880 impressionou-se com o motim de Lopes Trovão contra o imposto do vintém, impregnando-se dos ideais republicanos e, no ano seguinte, ainda sob a chefia desse líder, assistiu novas manifestações republicanas, cujo pretexto era a reforma eleitoral do ministério Saraiva. 

 

A Revolta do Vintém, vale recordar, ocorreu no final de 1870, no Rio de Janeiro, tendo sido deflagrada pelo aumento da taxa de vinte (reis), um vintém, cobrados sobre o transporte público feitos pelos bondes de tração animal que serviam à população. Lopes Trovão foi um dos mais ativos propagandistas republicanos e ardoroso abolicionista, além de signatário do Manifesto Republicano de 1870.

 

Euclydes impressionou-se com a vibração do médico, jornalista e político brasileiro, o trovejante orador Lopes Trovão.  Nascia ali, também, o combativo e impetuoso republicano - Euclydes da Cunha.

 

 

Publicação: Tribuna da Bahia

Please reload

Horário de funcionamento do IGHB

 

Visitação: de segunda a sexta, das 13h às 18h

 

Biblioteca: de segunda a sexta, das 13h às 18h

 

Arquivo: de segunda a sexta, das 13h às 17h

 

Administrativo: de segunda a sexta, das 13h às 18h